sexta-feira, janeiro 20, 2017

Dicas para desenvolver a melhor equipe em seu Bar e Restaurante


Contratando e desenvolvendo pessoas em pequenas empresas

As práticas relacionadas ao capital humano passaram a fazer parte do planejamento estratégico de muitas empresas, que identificaram, no potencial de seus profissionais, um grande diferencial competitivo. E é preciso lembrar também que, no Brasil, ainda é possível perceber a falta de investimentos em diversos setores da economia que reforçam a precariedade da infraestrutura e o atraso no uso de novas tecnologias.
Diante desse cenário, a competência e o compromisso tornam-se ainda mais decisivos, já que existe uma forte dependência em relação ao conhecimento e habilidades dos funcionários. Na verdade, em qualquer organização, é fácil perceber a correlação entre a qualidade do capital humano e os resultados obtidos, pois know-how, criatividade e iniciativa são elementos essenciais ao êxito empresarial.
Essa realidade abrange também as pequenas empresas que, apesar das dificuldades, devem atuar diretamente na construção de equipes de alto desempenho. Assim, é fundamental apostar na atração e retenção de talentos, nos programas de desenvolvimento, na elaboração de políticas de remuneração e benefícios e de um plano de carreira. Além disso, ainda é preciso contar com uma liderança eficiente.
Desta forma, as pequenas empresas podem atingir altos índices de motivação, que impactam positivamente na produtividade individual e coletiva.
Nesse post, você vai 09 Continue acompanhando e tenha uma ótima leitura!

Qual a melhor forma de selecionar um funcionário?

Nos últimos anos, os processos de recrutamento e seleção ganharam uma grande importância. Cada vez mais, os gestores reconhecem que essas etapas são essenciais para a formação de equipes eficientes, versáteis e alinhadas a cultura organizacional.
A seleção de colaboradores capacitados e engajados é sempre um desafio, pois há uma série de fatores a serem avaliados que vão muito além do conhecimento técnico. Competências comportamentais e características pessoais completam o perfil do profissional ideal — maturidade, equilíbrio emocional, resiliência, automotivação, persuasão, potencial de liderança e identificação com a empresa, são apenas alguns aspectos importantes.
Desta maneira, a seleção se torna uma tarefa bastante complexa. E para assegurar a qualidade e a assertividade da contratação de funcionários, é adequado seguir algumas recomendações. Veja algumas delas:

Crie uma identidade corporativa

Toda empresa, independentemente do porte, deve criar uma identidade própria, que a diferencie das demais. Para que isso seja possível, é essencial definir claramente a cultura, a missão, os valores e, então, reforçar esses conceitos através das políticas de gestão de pessoas.
A identidade corporativa é responsável pela formação de uma imagem e, por isso, é capaz de atrair profissionais que compartilham os mesmos ideais, facilitando o processo de recrutamento. Assim, é interessante explorar todos os meios de comunicação interna e externa — em especial, as páginas, blogs e redes sociais.

Construa uma boa reputação

A reputação de boa empregadora é determinante para atrair candidatos potenciais. Por isso, é importante investir em uma gestão abrangente, que colabore para um clima organizacional produtivo e para a satisfação dos colaboradores. A humanização costuma ser importante na construção desta reputação, pois envolve o respeito, a transparência e a ética nas relações interpessoais.

Defina o perfil ideal

O primeiro passo para um processo de recrutamento assertivo é a definição do perfil ideal do profissional a ser selecionado. Nesta etapa, é preciso listar fatores básicos, como experiência, conhecimentos técnicos e especializações, bem como as competências comportamentais que serão mais exigidas no dia a dia deste funcionário. Poder de negociação, espírito de equipe, persistência, flexibilidade e liderança são habilidades bastante solicitadas pelo mercado.

Profissionalize o processo de recrutamento e seleção

A profissionalização é necessária para assegurar um processo padronizado. Para as pequenas empresas, é preciso destacar um colaborador para essa tarefa ou mesmo o próprio empresário deve assumir a responsabilidade. Neste caso, é fundamental a preparação, tanto para realizar uma análise curricular adequada quanto para conduzir entrevistas estruturadas.
Há alguns bons testes gratuitos disponíveis na internet para avaliação de perfil dos candidatos, e essa avaliação é muito importante para a comprovação das competências comportamentais. Assim, é possível estabelecer parâmetros reais e eliminar a subjetividade. A pequena empresa pode também contratar os serviços de uma consultoria especializada, garantindo a qualidade do processo. Mas, mesmo com a terceirização da seleção, é fundamental que o empresário participe ativamente da definição do perfil e das entrevistas finais.

Não se prenda a estereótipos

Alguns pré-conceitos podem atrapalhar a escolha de um bom profissional, portanto, é preciso desconsiderar os estereótipos e analisar o potencial do candidato. Vale a pena lembrar que é mais fácil treinar habilidades do que treinar o caráter. Por isso, é interessante apostar na heterogeneidade das equipes, através da contratação de colaboradores multidisciplinares, com interesses diversos e grande capacidade de adaptação.

Por que melhorar o ambiente de trabalho?

O clima organizacional tem reflexos nos níveis de satisfação e motivação dos funcionários, por isso, também tem grande influência na produtividade das empresas. Deste modo, é essencial adotar práticas que assegurem a construção e a manutenção de um ambiente de trabalho colaborativo e que agregue real valor.
Conheça agora algumas dicas para melhorar o clima e o desempenho das equipes:

Exerça uma liderança positiva

Uma boa gestão é extremamente importante para o sucesso dos negócios e também para o ambiente de trabalho. Para tanto, é preciso considerar a presença do líder, capaz de adotar uma atitude positiva, próxima aos colaboradores, transmitindo otimismo, entusiasmo e segurança.
Bom humor, gentileza, meritocracia e coerência também fazem parte desta gestão, bem como o incentivo a participação, a troca de ideias e sugestões, sempre com foco em soluções e alternativas inovadoras.

Invista na comunicação

A qualidade da comunicação é fundamental para a integração das equipes. Cabe às empresas compartilhar informações sobre o mercado, concorrentes, dificuldades, projetos e, principalmente, sobre os desafios futuros. Essa prática fortalece a relação de confiança entre o líder e seus colaboradores.

Respeite as diferenças e valorize as competências

O clima interno depende também do comportamento dos gestores e dos membros das equipes, principalmente em relação ao respeito às diferenças e à valorização das competências. Por isso, é preciso atentar para sinais de descriminação, assédio e bullying, que são condutas extremamente nocivas ao ambiente corporativo.

Defina políticas de remuneração e benefícios

As políticas de remuneração e benefícios são importantes para esclarecer quais são os critérios que norteiam as decisões sobre questões salarias ou promoções internas. Essa transparência evita injustiças, causadoras da desmotivação. Um bom plano de carreira e salários pode, inclusive, encorajar os profissionais a buscar mais qualificação e experiência, a fim de conquistarem novas oportunidades dentro da empresa.

Faça pesquisas de clima organizacional

A pesquisa de clima organizacional é um importante recurso para mensurar se os funcionários estão realmente motivados e engajados. Por meio das respostas, é possível identificar quais são os pontos fortes da gestão e as práticas que devem ser aprimoradas.

Treinamento de funcionários: é hora de investir!

Programas de treinamento devem estar entre as prioridades das pequenas empresas. Mas, para que sejam realmente eficientes, é preciso elaborar um plano de desenvolvimento individual, de acordo com as necessidades do negócio e com o perfil de cada funcionário.
É importante considerar as operações e processos críticos, a chegada de novas tecnologias, lacunas ou monopólios internos de conhecimento, os valores e a cultura da empresa e as competências comportamentais mais demandadas. Essa personalização garante melhores resultados e profissionais mais satisfeitos e preparados.
De modo complementar, o empresário deve adotar a prática do feedback, com foco no crescimento do time. As conversas francas servem para reconhecer o empenho e o talento, mas também para esclarecer expectativas, orientar e corrigir desvios.
Confira algumas razões para investir no treinamento dos colaboradores:

Vantagem competitiva

Equipes qualificadas são responsáveis pela maior vantagem competitiva que uma empresa pode ter. A capacitação do capital humano interfere diretamente nos resultados finais, através do conhecimento, do desempenho e da excelência.

Qualidade e produtividade

Um treinamento eficiente é aquele que tem poder transformador, capaz de levar os funcionários, equipes e gestores a um outro nível de atuação. Deste modo, há mudanças significativas em indicadores de qualidade e produtividade, como na incidência de falhas e retrabalhos, atrasos nas entregas, obediência aos prazos, redução de custos operacionais e faturamento.

Processos mais eficientes

A qualificação permite que as equipes sejam mais questionadoras, aptas a analisar as rotinas diárias, identificando problemas, gargalos e atividades que não agregam valor.
Assim, também é possível encontrar oportunidades de melhoria, racionalização de recursos e eliminação de desperdícios, criando processos ainda mais eficientes.

Índices de satisfação do cliente

Com a melhoria da qualidade dos principais processos internos, é possível conquistar altos índices de satisfação e fidelização dos clientes. Reputação e credibilidade são influenciadas pelo atendimento, disponibilidade de produtos e preço, mas também pela proatividade, agilidade e conhecimento técnico das equipes.

Inovação e criatividade

Os programas de treinamento devem incentivar a criatividade, a inovação e a busca por novas respostas e possibilidades para o negócio. Porém, esse comportamento deve ser suportado por um ambiente de trabalho que encoraje novas ideias.
Neste sentido, ações para manter a equipe atualizada, como a distribuição de artigos e textos interessantes, o brainstorming, o acesso a palestras online e e-learning são importantes para reforçar essas duas competências, essenciais para a competitividade das pequenas empresas.

Motivação e engajamento das equipes

Equipes bem treinadas também são mais motivadas e engajadas. Isso acontece pois, quando a empresa elabora um programa de treinamento, reforça a gestão que valoriza o indivíduo, suas competências e talentos. Assim, é possível construir uma relação “ganha-ganha”, saudável e produtiva.

O que tenho a ganhar com a motivação dos meus funcionários?

A motivação pode ser entendida como a dose de energia que nos coloca em movimento, que nos incentiva a superar obstáculos e a vencer desafios. Por outro lado, a falta desta energia, causa apatia, desânimo, desinteresse e faz do profissional um simples executor de tarefas, restringindo seu potencial e desempenho.
Por isso, é importante que as empresas elaborem estratégias que garantam a motivação de seus funcionários. Conheça agora alguns segredos para manter uma equipe motivada:

Ofereça condições favoráveis de trabalho

As condições de trabalho também têm influência na motivação da equipe e, por isso, é preciso oferecer ambientes sadios e seguros, de acordo com as regulamentações previstas na legislação trabalhista. É necessário também cuidar do layout, da iluminação e da climatização dos espaços, sempre com a intenção de propiciar conforto e bem-estar.
Além disso, as pequenas empresas devem investir em tecnologia e infraestrutura, para que os funcionários possam exercer suas funções com excelência.

Aprenda a delegar responsabilidades e autoridade

A motivação está atrelada à necessidade de reconhecimento e autonomia, por isso, a delegação é indispensável. Essa prática colabora para o crescimento profissional da equipe, oferecendo novas experiências, responsabilidades e autoridade, e, assim, deve estar baseada na meritocracia. Porém, o gestor precisa supervisionar e orientar os profissionais para que os resultados sejam realmente positivos.

Conceda benefícios diferenciados

Os benefícios são sempre importantes para a estratégia de atração e retenção de talentos. Neste caso, as pequenas empresas devem analisar o perfil de seus colaboradores e, então, definir uma carteira atraente. Parcerias com academias, assessorias esportivas e restaurantes, além de bolsas de estudo para idiomas e universidades são boas iniciativas, bem como ofertar a possibilidade de horário flexível e home office.
Uma dica interessante é permitir que o próprio funcionário escolha seus benefícios dentro de um portfólio predeterminado pela empresa. Assim, há mais chances de garantir a satisfação de todos.

Crie um sistema de recompensas

Os sistemas de recompensa são ótimas alternativas para incentivar o desempenho diferenciado das equipes. Normalmente, estão vinculados a metas atingidas ou superadas, e quando essas metas são coletivas, também é possível estimular o trabalho em equipe. Prêmios financeiros, presentes, viagens ou dias de folga são bons exemplos de recompensas para funcionários.

Celebre conquistas e datas importantes

Outra ação com foco na motivação dos funcionários é organizar eventos internos para celebrar conquistas da equipe e datas importantes para a empresa. Esses encontros favorecem a coletividade e os relacionamentos.

Conclusão

A qualidade do capital humano é essencial para o sucesso dos negócios, principalmente nas pequenas empresas. Na verdade, os profissionais devem ser encarados como o principal elemento da estratégia corporativa, pois todas os processos e rotinas dependem dos funcionários. Dessa forma, a preparação, a qualificação e a competência dos times são variáveis que influenciam fortemente no resultado final.
Dessa forma, a atração e retenção de talentos, a profissionalização dos processos seletivos, o desenvolvimento dos funcionários, as ações direcionadas à satisfação e à motivação internas são fundamentais para a construção de equipes de alta performance, capazes de solucionar problemas, encontrar possibilidades e garantir a longevidade dos negócios.
                                BY CLICO

Como manter a motivação profissional em seu Restaurante e Bar

Motivação profissional pode ser determinante no desempenho de sua empresa

Entre ano, sai ano, e o objetivo de todo empreendedor é mesmo: um melhor desempenho da sua empresa em comparação com o período anterior. Para que isso aconteça, é importante prestar atenção em todos os detalhes. Você, por exemplo, já parou para conversar sobre motivação profissional com os seus funcionários?
Às vezes, uma simples troca de ideias pode levá-lo a entender sobre o que está se passando na cabeça dos seus empregados e por que isso, de alguma forma, tem afetado suas produções.
Essa é uma realidade presente em diversos ambientes corporativos. Segundo pesquisa recente da Right Management, consultoria organizacional especializada em gestão de talentos e carreira, apenas 34% dos funcionários estão plenamente motivados com seu trabalho e com a organização a que pertencem.
Ainda de acordo com o levantamento, empresas que oferecem oportunidades de carreira são seis vezes mais propensas a motivar seus funcionários, quase 2,5 vezes mais inclinadas a serem produtivas e quatro vezes menos sujeitas a perder talentos. O estudo ouviu 28 mil profissionais, de dez segmentos de atuação, em 15 países.

Como manter a motivação profissional dos seus funcionários

Dados como os da pesquisa citada acima só ressaltam o papel fundamental que um setor de Recursos Humanos (RH) tem em uma organização. Confira três atitudes que podem ajudar a manter a motivação profissional dos seus funcionários.

1. Converse com sua equipe

Como já mencionado anteriormente, conversar com seus subordinados pode ajudar a compreender melhor eventuais quedas de motivação. Uma dica é perguntar a eles, por exemplo, o que lhes deixa mais frustrados em suas rotinas diárias e o que pode ser melhorado.
Dessa forma, segundo Marcelo Braga, sócio da Search Consultoria em Recursos Humanos, será possível identificar o que pode ser feito de diferente para que metas não atingidas e resultados abaixo do esperado possam ser esclarecidos. “Momentos profissionais difíceis todos nós temos ou teremos um dia. A dinâmica da vida profissional é intensa e o que está perfeito hoje, pode não estar amanhã”, comenta.

2. Demonstre reconhecimento

Outra razão que pode fazer um funcionário perder a motivação profissional é não demonstrar o devido reconhecimento pelos trabalhos prestados. Por mais simples que alguma atribuição possa parecer, às vezes um simples agradecimento pode fazer toda a diferença para um funcionário inseguro.
Mostra que você se importa com o que ele está fazendo irá fazê-lo se sinta valorizado e reconhecido. Buscar formas de motivar funcionários é um desafio constante e de importância extrema para a produtividade, e o reconhecimento de colaboradores que apresentam um bom desempenho é fundamental.

3. Estabeleça bônus e premiações por produção

Quer melhor maneira de manter seus funcionários motivados do que atribuir bônus e premiações por objetivos alcançados? O regime de meritocracia é adotado em diversas empresas e consiste em estabelecer remunerações extras para metas atingidas. Assim, todo mundo busca ao máximo manter sua produção sempre em alta.
Essas premiações não precisam ser aplicadas diretamente no salário do trabalhador. Elas podem também vir através de uma promoção ou de uma plano de carreira. Mostrar como os funcionários podem progredir na organização é uma maneira de impulsionar o aprendizado e o desenvolvimento.
Fonte: Destino Negocio

Entenda o que é e como implantar a gestão por competências



Existem diversas formas de conduzir a gestão de uma empresa. Da mesma forma, existe uma infinidade de formas de gerir pessoas dentro das organizações. Entre elas está o modelo conhecido como gestão de competências? Você sabe do que se trata?
No mundo dos negócios, as empresas começaram a perceber que não basta apenas avaliar as capacidades técnicas dos colaboradores, como seus conhecimentos e habilidades. Para notar se um profissional tem todas as características necessárias para exercer uma determinada função, é preciso levar em conta também suas atitudes e seu perfil comportamental. É daí que parte o conceito da gestão de competências.

Gestão de competências x modelo tradicional

Dentro do contexto corporativo, competência indica um conjunto de características apresentadas por uma pessoa que a ajudam a realizar as suas funções profissionais. Existem as competências que as pessoas já possuem e outras que podem ser adquiridas.
“Muitas corporações investem na formação do seu quadro funcional. Com um olhar estratégico e integrador, a competência pode ser vista como a somatória de bens individuais intangíveis. São atitudes, conhecimentos, habilidades, experiências, enfim, características que acrescentam valores econômicos e sociais dentro do ambiente organizacional”, explica a gerente de Recursos Humanos da Mega Sistemas Corporativos S/A, Mariana Almeida.
Dentro desse cenário, encontram-se os modelos de gestão de pessoas. Os tradicionais apresentam uma perspectiva passiva e reativa dos colaboradores e têm como papel recrutar e treinar pessoal, além de avaliar desempenhos e resultados.
Já a gestão por competências tem como foco a tríade negócios, mercado e desenvolvimento profissional permanente. “A implantação desse modelo traz uma perspectiva holística, preocupada com os aspectos estratégicos da organização e como está posicionada no mercado. Com ela, a empresa incentiva seus colaboradores a conversar e focar suas ações para o que consideram fundamentais para a qualidade de vida no trabalho e, juntos, trabalharem para alcançar o crescimento para ambos”, complementa Mariana.

Como implantar a gestão por competências

O objetivo da gestão por competências é entender quais são as competências organizacionais necessárias para o sucesso empresarial, desdobrá-las em competências profissionais e desenvolvê-las junto ao quadro de funcionários internos. Trata-se de uma metodologia de gestão moderna, focada nos negócios, no mercado e no desenvolvimento profissional permanente.
A gestão por competências é composta por alguns subsistemas, como mapeamento e descrição de competências, mensuração de competências, remuneração por competências, seleção por competências, desenvolvimento de competências, avaliação de desempenho por competências e plano de desenvolvimento por competências.
As empresas que adotam este tipo de gestão apresentam resultados animadores. “Incentivar a motivação gera um maior engajamento e resulta no alinhamento da estratégia corporativa. Com isso, a área de gestão de pessoas passa a orientar melhor as suas ações, planejamentos e políticas”, ensina Mariana.
“Dessa maneira, ela passa a recrutar com mais clareza e precisão, a avaliar com um maior embasamento e a desenvolver um plano de remuneração mais justo direcionado aos colaboradores, baseado nos objetivos e nas metas organizacionais”, conclui a gerente de RH.
                                          Fonte: Destino Negocio

quinta-feira, janeiro 12, 2017

6 motivos para escolher investir em uma franquia


Em tempos competitivos como os dias de hoje, ninguém quer colocar o seu dinheiro em negócios arriscados. Investir certo é uma atitude inteligente e que possibilita que empreendedores talentosos consigam ter a chance e o tempo necessário para impor a sua capacidade e atingir o sucesso.
Se você quer investir seu dinheiro em um negócio seguro, a minha sugestão é que você aposte em uma franquia! As franquias apresentam diversas vantagens em relação a uma empresa que começa do zero e são a alternativa perfeita para que não quer correr riscos desnecessários. Hoje eu vou te mostrar alguns ótimos motivos pra você aderir a essa ideia e abrir uma franquia:

Reputação já consagrada

Uma das grandes vantagens de investir em franquia é que você adquire uma empresa que já é consagrada no mercado. Mesmo nos primeiros meses, em que tudo é mais complicado e muitos dos empreendimentos comuns fecham suas portas, você já tem o suporte e o renome da marca que está representando. Isso traz uma enorme vantagem competitiva e garante um bom retorno do investimento feito!

Menor risco do que outras empresas

Investir em franquia também é uma excelente alternativa porque esse tipo de negócio é muito menos arriscado. São marcas já testadas e previamente aceitas pelo mercado, o que as deixam muito mais seguras em qualquer área de atuação do que uma empresa que está começando do zero e ninguém nunca ouviu falar.

Assistência e treinamento para franqueados

Outro ponto positivo que investir em franquias proporciona diz respeito aos treinamentos e à assistência prestada para os franqueados. O objetivo dessas marcas é obter cada vez mais sucesso, o que faz com que ela disponibilizem o máximo de apoio para aqueles que irão representá-las. Uma franquia é uma verdadeira escola de negócios para os novos empresários!

Plano de negócio já definido

Muitos empreendedores iniciantes nem sabem o que é um plano de negócios, e aí está outro ponto positivo das franquias: geralmente, o plano de negócios já é pré-definido! Na maioria das vezes, o pequeno empresário não dispõe de tempo e habilidade para prever fatos político-sociais e econômicos que possam afetar o seu comércio, então contar com o apoio de um franqueador consolidado te ajuda a crescer com menor risco financeiro.

Planejamento dos custos de instalação

Outra preocupação que o empresário que está abrindo o negócio não terá se for um franqueado: planejar os custos de instalação. Essas marcas já apresentam um padrão de projeto arquitetônico, o que contribui não só para padronizar os produtos e serviços, mas também para dar o apoio necessário à instalação da nova unidade, tomando como base os custos de sua unidade-padrão. Isso reduz consideravelmente os riscos dos custos de instalação fugirem à previsão e te causarem problemas de fluxo de caixa.

Marketing

Outro ponto crucial que quem está pensando em investir em franquias deve levar em conta é o marketing. Essas marcas já possuem grande projeção e trabalham com as melhores empresas do ramo de propaganda, atingindo um grande público. Cá entre nós, essa é uma enorme vantagem competitiva, não é mesmo?
Abrir uma franquia é uma alternativa segura e confiável, que traz grandes benefícios e dá garantias de tranquilidade para o seu negócio, inclusive nos momentos iniciais. Se você ainda está com medo de abrir o seu negócio, ser um franqueado pode ser a certeza que faltava para você!
                                 BY CLICO

Faça do seu Cardápio uma ferramenta de vendas...


10 Deliciosas Dicas para Personalizar Seu Cardápio

Quando falamos em restaurante, principalmente aqueles especializados em pratos à la carte, todos os detalhes contam na hora de cativar o cliente. Isso é válido desde a decoração e iluminação do local até a disposição dos pratos e bebidas no cardápio.

Muitas vezes desprezado, esse último é fundamental para chamar a atenção do cliente, que não gosta de menu desorganizado e sem graça. Pensando exatamente nisso, nós separamos algumas dicas que vão ajudar você a personalizar seu cardápio e fazer ainda mais sucesso com os clientes.

1 – Os pratos devem ser coerentes com a proposta do seu restaurante.

Na hora de montar seu cardápio, a primeira coisa que deve pensar é que os pratos que você oferece devem ser condizentes com a proposta do seu restaurante. Dê destaque àquilo pelo qual deseja ficar conhecido. Pense sempre em atender a proposta que você vende para o cliente com seu conceito e até com a sua fachada.

2 – O visual é importante sim.

A apresentação é a primeira coisa que chama a atenção do cliente em um cardápio. O ideal é que ele tenha a mesma identidade visual adotada pelo restaurante como um todo. Deve ter um design organizado e elegante, e também ser de fácil leitura.

3 – Ofereça opções.

Muitas vezes as pessoas desistem de comer em um lugar por conta das grandes porções. Por isso, uma dica é oferecer pratos que sejam compartilháveis ou que estejam disponíveis em vários tamanhos para agradar a todo o seu público.

4 – Erros ortográficos.

Erros de português ou inglês nos cardápios de restaurante são extremamente comuns e desvalorizam o estabelecimento. Faça uma revisão atenta antes de colocar os seus em circulação.

5 – Diversidade é um diferencial.

Ao mesmo tempo que é importante manter a coerência com o que você deseja vender, também é interessante oferecer diversidade no cardápio. Estude a possibilidade de ter opções para veganos, vegetarianos, alérgicos, intolerantes a glúten e também à lactose. Isso pode atrair uma série de clientes.

6 – Aposte em diferentes formatos.

Os mais comuns são os cardápios grandes de papel, não é mesmo? Uma dica para personalizar os seus é apostar em um formato digital, oferecido em tablets para o cliente. Uma opção que tem feito cada vez mais sucesso.

7 – Menos é mais.

Quem nunca ficou perdido em um cardápio que tinha informação demais? Na hora de elaborar o seu, pense em um visual que seja ao mesmo tempo interessante e diferente, mas sem deixar de ser simples e minimalista. Afinal de contas, a sua função é mostrar os seus pratos para o cliente. Itens indispensáveis em um cardápio: Nome do produto, ingredientes e preço. Qualquer outra informação é irrelevante.

8 – Preste atenção aos preços.

Mais do que serem sempre visíveis e claros, os preços devem ser condizentes com o estabelecimento. Preços absurdos só vão fazer com que você perca clientes, assim como preços baixos demais vão deixar você no prejuízo ou, no mínimo, deixar os clientes desconfiados quanto a qualidade do produto.

9 – Invista em cardápios do dia.

Mais do que os cardápios tradicionais, investir em cardápios com o prato do dia pode ser uma ótima pedida. Isso pode ser feito por meio de cavaletes, jogos americanos personalizados ou mesmo pequenos totens de mesa.

10 – Deixe as promoções claras.

Se você tem alguma promoção por dia da semana, deixe isso sempre bem claro e destacado no seu cardápio para que as pessoas não tenham dificuldade em identificá-las.

Dica Bônus: Tenha uma identidade visual.


Não só no seu cardápio, mas em todo o restaurante é importante ter uma identidade visual. É ela que vai mostrar quem você é para o seu cliente. Você será reconhecido e associado seja em mídias sociais, panfletos, placas e mesmo no cardápio.
      
                               Fonte: Mogo Smart

quarta-feira, janeiro 11, 2017

McDonald's vende 80% de seu negócio na China


A Multinacional de fast-food chegou a um acordo nesta segunda-feira para vender 80% de seu negócio na China ao grupo financeiro estatal chinês Citic e ao fundo de investimentos americano Carlyle, que passarão a contar com participações de 52% e 28%, respectivamente.

Segundo anunciou o Citic em comunicado enviado à Bolsa de Hong Kong, o acordo de compra e venda de 80% da franquia chinesa foi fechado com um valor total de US$ 2,08 bilhões, enquanto o McDonald's seguirá controlando 20% das ações restantes através de uma de seus filiais. 

Quando for concluída a operação, o McDonald's China ficará sob o controle do Citic - que materializou a compra mediante sua filial Fast Food Holdings - com 52% das ações, do fundo Carlyle, que terá 28%, e do grupo McDonald's - através de sua subsidiária Golden Arches Investments -, que ficará com 20%.

A franquia chinesa da rede de restaurantes de fast-food receberá os direitos para operar os estabelecimentos da marca durante os próximos 20 anos e a equipe atual de gestão da empresa permanecerá em seu cargo, afirmou o Citic em seu comunicado.

O McDonald's, que conta com cerca de 2 mil estabelecimentos na China continental e em Hong Kong, informou no mês de março do ano passado que estava buscando sócios para expandir sua presença no gigante asiático com aproximadamente 1.300 novos locais.

O Citic afirmou que as redes de fast-food ocidentais, já implantadas nas maiores cidades chinesas, têm "grande potencial de crescimento" nas cidades de tamanho médio, na medida em que o país continue seu processo de urbanização e de desenvolvimento da classe média, já que sua população é maior que as de Europa e Estados Unidos somadas.

                  Fonte: Terra

segunda-feira, janeiro 09, 2017

Gestão por Resultados para Restaurantes e Bares


O conceito de gestão por resultados vem do inglês Management by objectives (MBO) ou Management by Results (MBR). Nos últimos anos, vem sendo muito discutido no setor público no Brasil, mas também se aplica à iniciativa privada. Ele é, em suma, uma forma de administrar o negócio que visa priorizar os resultados em todas as ações de todos profissionais que nele atuam, objetivando a elevação do desempenho organizacional.

O termo “gestão por resultados” foi apresentado pela primeira vez por Peter Drucker, um dos mais importantes teóricos da administração moderna, em seu livro The Practice of Management, de 1954.

Quando um restaurante aplica a gestão por resultados, ele decide que:

  • Os resultados são a referência-chave para a todo o processo de sua gestão;
  • Todos são responsáveis pelos resultados obtidos e não obtidos (oportunidades perdidas);
  • Todas as unidades de negócio devem ser integradas e caminharem juntas para os mesmos resultados, cada uma contribuindo com as suas atribuições;
  • A ênfase não está nos processos e procedimentos, e sim nos resultados obtidos.

‘O que se obteve’ acima de ‘como se obteve’

A essência da gestão por resultados é a definição dos objetivos, a escolha das ações e a tomada de decisão de forma participativa, ou seja, as lideranças e seus liderados, dentro do planejamento estratégico, definem em conjunto. Assim, a medição e a comparação do desempenho real de cada empregado é feita de acordo com os padrões estabelecidos. De acordo com Drucker, quando os próprios empregados participam do estabelecimento de metas e escolhem as ações a serem seguidas, eles são mais propensos a cumprir suas responsabilidades.
Neste “acordo de cavalheiros”, a empresa não impõe processos muito rígidos, pois o foco total está nos resultados. Obviamente, há diretrizes a serem cumpridas, mas não há imposições do modo de fazer, o foco é realizar os objetivos.

5 etapas da gestão por resultados

De acordo com Peter Drucker, a gestão por resultados com ciste nas seguintes etapas:

1 – Revisão dos objetivos organizacionais

Os gestores devem ter uma visão clara dos objetivos macros, conhecer o planejamento estratégico e as ambições da empresa.

2 – Definição dos objetivos dos colaboradores

Gestores e seus liderados devem se reunir para firmar acordos sobre os objetivos e os resultados esperados com seu trabalho. Eles também estabelecem um prazo para a apresentação destes resultados e avaliação do desempenho.

3 – Monitoramento do processo

De tempos em tempos, antes da finalização do prazo acordado, gestores e liderados se reúnem para verificar se os objetivos estão sendo alcançados.

4 – Avaliação de desempenho

No final do período de funcionamento normal, o desempenho do trabalhador é julgado de acordo com o atingimento ou não dos objetivos.

5 – Recompensa

Na última etapa do ciclo, os colaboradores recebem recompensas pelos resultados obtidos.

Vantagens que a empresa obtém ao implantar a gestão por resultados

A seguir, veja as principais vantagens que a gestão por resultados oferece aos negócios:
  • Motivação dos colaboradores: ao se envolverem em todo o processo de definição de objetivos, eles reconhecem o valor de seu trabalho e se engajam mai;
  • Melhorias na comunicação e coordenação: há uma aproximação natural dos líderes e seus liderados, com troca de informações, feedback e colaboração, o que contribui com a harmonia organizacional.
  • Mais clareza de objetivos: os colaboradores tendem a ter um compromisso maior com os objetivos que estabeleceram para si próprios do que aqueles que lhes são impostos por outra pessoa. Além disso, a clareza de objetivos contribui com a sensação de pertencimento e, consequentemente, com a autoestima dos profissionais;
  • Melhorias na produtividade: funcionários mais engajados, com mais informações e com os objetivos bem claros, produzem mais e melhor.
  •  
                                               Leandro Borges